Passo 4 – Tratar cada EURO como um Investimento

Tratar cada Euro como um InvestimentoDescobre as razões porque deves tratar cada Euro como investimento. Está na hora de fazer crescer a Conta Bancária. Usa melhor o seu dinheiro!

A maior parte de nós ouve frequentemente a afirmação, “Pague primeiro a si mesmo“. De fato, é a regra número um para gerir o dinheiro e é muito utilizado no mundo dos investimentos. Certamente é um bom conselho, mas francamente muitos investidores têm as seguintes dúvidas: Quanto dinheiro? Com que frequência? Onde colocar o dinheiro? O que fazer a seguir?

Apesar de ser um bom conselho, esse dinheiro poderia ser usado para comprar ações e ajudar a aumentar a sua Carteira de Investimentos, para a longo prazo conseguir uma rentabilidade maior. Neste artigo vou partilhar várias dicas de investimento para conseguir um melhor retorno pelo seu dinheiro e mostrar porque pagar a si mesmo primeiro nem sempre é a melhor opção.

Não Pagues a Ti Primeiro, Faz um Novo Investimento

Em relação às dicas sobre finanças e investimento, acredito que existem melhores frases. Prefiro a frase: Trate cada euro como um investimento. Desta forma, com este tipo de pensamento além de gastar melhor o seu dinheiro e investir para ganhar, a longo prazo o retorno vai ser muito maior do que o esperado. Nunca compre coisas que não consegue manter, é preferível gastar menor mas poder tirar o máximo partido disso.

Para mim, o investimento na Bolsa é muito mais do que comprar ações através da minha corretora. Eu vejo o investimento como algo que afecta a minha qualidade de vida. Assim que as coisas básicas estiverem asseguradas pelo rendimento mensal – como a alimentação, alojamento, local de trabalho – cada euro é igual a uma nova oportunidade. E cada dia apresenta novas oportunidades para fazer o dinheiro trabalhar mais por mim, quer seja a longo prazo (poupança para a reforma), segurança de curto prazo (fundo de emergência), ou para prazer imediato.

Depois de algum tempo, já entras em modo “tratar cada euro como um investimento” e nunca mais vai querer mudar. Assim que estiveres a pensar dessa maneira, vais estar sempre a procurar por novas oportunidades para rentabilizar as tuas poupanças da melhor forma possível!

Mas, antes de passar à prática, é importante seguir estas dicas:

  1. Pagar as dívidas do Cartão de Crédito
  2. Criar um fundo de emergência
  3. Gastar menos dinheiro e Investir mais dinheiro

O teu orçamento mensal é limitado, por isso quer ganhes 500€, 1.000€, 2.000€ ou mais por mês, existem sempre coisas que não poderás fazer porque o dinheiro não “estica”. Por essa razão, existem várias vou abordar cada uma das dicas partilhadas acima, para que entenda melhor porque são importantes.

Investimento 1. Pagar as dívidas do seu Cartão de Crédito

Na maior parte dos cenários não existe melhor maneira de usar os Euros disponíveis, do que usá-los para pagar as dívidas com juros altos, como as dívidas do cartão de crédito ou do crédito pessoal. No quadro abaixo mostro como o retorno é muito maior e vai ajudar-lhe a poupar muito dinheiro mesmo!

Considera a diferença entre colocar de lado 200€ por mês ou pagar 200€ usando o Cartão de Crédito. Depois de cinco anos a fazer isso – assumindo que a taxa de juro do Cartão de Crédito é de 18% – aqui ficam as diferenças entre o dinheiro poupado e o dinheiro gasto a pagar dívidas:

Anos Poupar 200€ por mês Gastar 200€ por mês no Cartão de Crédito
1 2,400€ 2,652€
2 4,800€ 5,583€
3 7,200€ 9,088€
4 9,600€ 13,278€
5 12,000€ 18,288€

Como podes ver pela tabela acima, é importante não abusar do Cartão de Crédito e usá-lo apenas em situações pontuais. Caso contrário, no exemplo partilhado acima, ao longo de cinco anos vais pagar mais 6.288€, do que se tivesses usado o teu próprio dinheiro, só para pagar os juros acumulados no Cartão de Crédito.

A tabela acima não só mostra como é importante não abusar do Cartão de Crédito, como deves pagar o mais rápido possível todas as dívidas do Cartão de Crédito ou do Crédito Pessoal.

Investimento 2. Criar um fundo de emergência

Vão acontecer sempre coisas inesperadas! Para a maior parte dessas coisas é necessário ter dinheiro extra, como por exemplo, quando perder o emprego, problemas com o carro, obras em casa, pagar o IMI, entre outras coisas. Se não tens o dinheiro disponível, o mais certo é que tenhas que usar o limite de crédito do seu Cartão de Crédito para resolver o problema rápido, no entanto isso pode criar problemas financeiros no futuro.

Por essa razão, deves ter um fundo de emergência disponível para responder a estas situações. Coloque de parte entre 1.000€ a 50.000€ em Depósitos a Prazo – dependendo do teu agregado familiar e do teu rendimento. Apesar de não ser um investimento rentável, pois os Depósitos a Prazo têm um retorno baixo, é a melhor solução para ter dinheiro disponível e evitar pagar juros elevados ao contrair dívidas no seu Cartão de Crédito.

O tamanho total do teu fundo de emergência vai depender várias coisas, no entanto pode ser resumido na seguinte tabela:

Se… O fundo de emergência deve ser capaz de cobrir despesas durante…
solteiro e não tiver outras pessoas dependentes 3 a 6 meses
é a única pessoa do agregado com um rendimento e trabalha numa área instável 6 a 12 meses
é um reformado a viver de um rendimento fixo 5 anos

Investimento 3. Gastar menos dinheiro e Investir mais dinheiro

O mais certo é que já tenhas reparado que estás a gastar bastante dinheiro em coisas que não estão a ter o retorno ou simplesmente existem mais barato. Poderia dizer que a melhor forma de gastares o teu dinheiro poderia ser ao criar uma folha (de papel ou no Excel), com todos os seus gastos, mas mesmo assim irias continuar a gastar sem pensar.

A melhor maneira de gastar menos dinheiro e ter mais dinheiro disponível para investir em ações ou outros investimentos, consiste em fazer a seguinte pergunta a ti mesmo, quando estás a pensar em comprar alguma coisa: “Isto é o melhor investimento que posso fazer com este dinheiro?

Não sabes como investir?

Começa a Copiar Investidores na Etoro. Eles ganham, tu ganhas.

Performance passada não é garantia de resultados futuros. Capital em risco.